sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Castro Laboreiro: esconderijo de galegos e asturianos


Com o golpe militar de 1936 em Espanha, vários pontos da raia foram rapidamente controlados por tropas militares e polícias da PVDE (precursora da PIDE) e da Guarda Fiscal, para precaver a possível fuga de galegos para Portugal. A vigilância da fronteira desde o levantamento militar em Espanha foi um assunto estratégico para os portugueses que não viram com bons olhos a entrada ilegal de refugiados no seu território sobretudo se eram comunistas. O número de militantes das organizações de esquerda galegas que entrou em Portugal foi muito significativo entre Agosto e Dezembro de 1936, data em que a fronteira terrestre entre Espanha e Portugal passou a estar controlada definitivamente pelos militares golpistas.
Em finais de Julho de 1936, quando o território galego passou para as mãos dos insurretos, os portugueses distribuíram as suas tropas pelos postos fronteiriços como reforço da permanente e ativa vigilância dos primeiros dias. A partir de então, para entrar legalmente em Portugal era necessário estar provido duma carta do cônsul do respetivo país que garantisse, quer não ser portador de ideias extremistas como também não ter antecedentes penais. Os requisitos legais eram maiores caso os refugiados fossem provenientes de áreas republicanas em Espanha, já que então havia que acrescentar nomes de pessoas idóneas que os avalizassem, consequência do fervor anticomunista que dominava Portugal. Lembramos que 1936 foi o ano da criação de várias organizações de enquadramento de mulheres e jovens, mas sobretudo foi o ano de inauguração da prisão do Tarrafal, construída na parte norte da ilha de S. Tiago de Cabo Verde.
Logo nos primeiro dias do conflito bélico, ocorrem as primeiras aparições de galegos em território português. Predominavam os indocumentados, mas sobretudo pessoas conotadas com a esquerda. Das 22 passagens legais entre Galiza e Portugal, os galegos que fogem de Franco e da repressão utilizam de forma oficial os postos fronteiriços de Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença, Monção, Peso (Melgaço), e S. Gregório, todas ao longo do rio Minho; Vila Verde de Raia, na estrada de Chaves-Orense e às vezes também nos postos de Portela e Quintanhilha, na região de Bragança. Não era fácil controlar o trânsito ilegal  de refugiados neste longo território fronteiriço entre os dois países. De facto, a polícia política portuguesa estava seriamente preocupada pela passagem clandestina de muitos galegos a Portugal, especialmente na raia seca, pelo que em várias ocasiões a Direção da PVDE solicitou ao Ministério do Interior que se realizassem batidas nas zonas montanhosas fronteiriças de Portugal, onde permaneciam escondidos bastantes refugiados galegos.
Em finais do mês de Setembro de 1936, já havia quase 400 presos espanhóis registados em Portugal, a maioria repartidos entre o velho forte militar, o Reduto Norte do Forte de Caxias, e a prisão debaixo do controlo da PVDE em Bragança, um dos espaços geográficos do norte de Portugal com maior presença de refugiados galegos. Entre esses refugiados detidos estavam muitos dos que cruzavam a raia nos primeiros dias depois do golpe militar. Manuel Pérez Rodriguez era um deles. Quando rebentou a guerra, tinha vinte e três anos, todos passados na sua aldeia raiana de San Lourenço da Illa, no concelho de Entrimo. O dia seguinte ao golpe fugiu para Portugal, junto com outros quinze habitantes dos concelhos raianos da Baixa Límia. Saíram da sua aldeia, da Illa, calcurrearam a serra granítica do Quinxo, junto a Olelas, e baixaram o imponente desnível até ao rio Laboreiro para atravessar a raia e procurar a salvação ao terror que suspeitaram que ia acontecer na Galiza.
Os dias seguintes, outros galegos fizeram o mesmo que esses outros 16. Entre esses galegos que fugiam a Franco e da repressão, predominavam civis de filiação republicana ou esquerdista, mas também havia alguns militares, carabineiros e guardas civis, e a partir de 1937, reservistas galegos que  rejeitavam mobilizar-se para o serviço militar ou para ir para as frentes de guerra.
Desconhecem-se com exatidão o número de galegos que escolheram Portugal para fugir de Franco e da repressão. Só no primeiro semestre da guerra civil, o número de refugiados espanhóis na freguesia de Castro Laboreiro, no concelho de Melgaço, ainda que não fosse estável, era, segundo testemunhos orais, uma cifra que se situava entre quatrocentas e oitocentas refugiados. Aqui chegavam muitos galegos depois do início da guerra civil e posteriormente vários grupos de asturianos escapados da caída da frente norte, onde participavam como clientes ou como ativistas na rede de obtenção de documentos que funcionava ao longo da fronteira.
Outros refugiados atravessaram a raia com documentação falsa, na que utilizavam identidades de familiares falecidos de origem brasileira ou argentina, em que os lugares de residência substituídos por hospedarias ou por casas de portuguesas que os acolhiam, como a Quinta do Hospital da freguesia de Ceivães, o Hotel Internacional de Monção, a Pensão Internacional de Monção, a Casa do Emigrante de Ponte de Lima, e outros tantos. Estes falsificadores provam que havia uma considerável rede de contactos em território português para aqueles galegos que queriam aquela documentação para circularem pelo país. A identidade como cidadão americano garantia um melhor trânsito por Portugal sem temer serem detidos e sem esperarem demasiado o embarque para a América do Sul. Essa rede completava-se com contactos nas agências de emigração e mesmos em certos consulados de Portugal. O ministério espanhol de Asuntos Exteriores queixou-se em mais de um ocasião pela atitude dos seus cônsules que autorizavam o trânsito de espanhóis em Portugal sem esperar a confirmação oficial dos governadores civis. Em todo o caso, estamos a falar de passaportes falsificados e de documentação obtida de forma ilícita, que deviam ter um custo final elevado. Em vários países europeus, os passaportes portugueses chegavam a valer 70 000 francos, 2000 liras ou 3000 marcos durante os anos 30 quando os judeus em fuga de Hitler pretendiam vir para Portugal.
Contudo, não devia ser fácil arranjar documentação para circular por Portugal. Na branda da Seara, na freguesia de Castro Laboreiro, esconderam-se vários refugiados galegos, camuflados nas fragas próximas, mas protegidos por alguns dos castrejos daquelas serras agrestes, reincidentes em acolher refugiados galegos. Entre estes, ocultava-se uma família inteira de galegos à espera dessa desejada documentação: Eudosia Lorenzo Diz, antiga professora em Lobeira, o seu filho pequeno  e seus pais e os seus pais, Agustin Lorenzo Puga, “O Masidário”, e Basilia Diz González, que para não levantar suspeitas não vestiam o trje típico dos castrejos, como se integravam nas suas habituais migrações anuais entre as brandas e as inverneiras. A polícia portuguesa, que teve na sua mesa durante bastantes meses uma ordem de busca e captura dos “Masidários”, recebeu continuamente informações contraditórias da sua presença em diversas brandas e inverneiras da freguesia, mesmo nos lugares fixos dos Ribeiros, de Cima e de Baixo, por onde era cada vez mais frequente ver as quadrilhas de fugidos galegos e asturianos. Finalmente, os “Masidário” seriam detidos no Posto da PVDE em Maio de 1938 e expulsos pelo porto de Lisboa três meses depois rumo a Casablanca (norte de África).
Nesse contexto de ambígua permissividade das autoridades portuguesas, cresciam os grupos de refugiados galegos no norte de Portugal. Desde Fevereiro de 1937 que escapara da sua aldeia raiana de Ferreiros por rejeitar o o recrutamento militar, Xosé Fernandez Gonzalez, “O Riso”, e estabeleceu-se no lugar do Ribeiro de Baixo (Castro Laboreiro), que distava uns poucos quilómetros da sua casa e onde permaneciam escondidos alguns vizinhos do seu concelho e desde finais de 1937 um grupo de asturianos que circulavam com certa facilidade em toda a raia seca. “O Riso” converteu-se num dos elementos de contacto entre estes grupos de refugiados e o Partido Comunista Espanhol, sobretudo a partir do fim da guerra civil. Também quando terminou o conflito bélico, Manuel Peréz Rodríguez, cruzou de novo a raia para instalar-se em Portugal no Ribeiro de Baixo (Castro Laboreiro), onde os castrejos lhe arranjaram uma casa e comida.
No fim da guerra civil, na Serra de Castro Laboreiro, o Partido Comunista Espanhol mantinha um ponto de apoio de entrada em território espanhol controlado por vários dos refugiados que ali operavam e que tinham  como base operações as já citadas duas aldeias, o Bibeiro de Baixo e Ribeiro de Cima, muito próximas das aldeias galegas de Pereira e Olelas…



(CONTINUA)

Extraído de: GALLARDO, Angel Rodriguéz (2007) - Refuxiados e Fuxidos nos Montes de Laboreiro. Cuaderno Arraiano, Verão 2007.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Memórias vividas do contrabando em Melgaço no século XX



Em 2016 foi publicado um estudo dedicado ao tema “Memórias de Fronteira em Melgaço: Contrabando e Emigração - Patrimonialização, Musealização e Fruição Turística”, onde a autora, Lídia Aguiar, contextualiza a problemática do contrabando e da emigração em Melgaço, no Norte de Portugal, ao longo do século XX. De certa forma, o artigo é um resgate de memórias em risco de desaparecimento, com o intuito de as divulgar mas também de as poder transformar em produtos turísticos para a fruição do turista cultural, valorizando um património imaterial esquecido, abandonado, frequente e injustamente menosprezado. Trata-se de um ótimo levantamento de testemunhos para memória futura e por isso importa aqui partilhar este extrato:
“Neste artigo, contextualiza-se a problemática do contrabando e emigração clandestina em Melgaço, desde a década de 30 até ao final do século XX. Convocam-se, então, várias memórias, hoje ameaçadas, das suas populações, notoriamente envelhecidas, que importa patrimonializar, registando-as para preservação de identidades. (…)
Para o sociólogo Albertino Gonçalves, o contrabando é uma ação intrinsecamente ligada à fronteira, da qual a população de Melgaço soube tirar partido em função da sua situação geográfica. Três quintos deste concelho confinam com a Galiza, sendo 22Km de fronteira terrestre e 39 Km de fronteira fluvial.
Certo é que ela, em muitos momentos, constituiu um importante motor económico para o sustento das famílias. Homens, mulheres e crianças, carenciados ou abastados, todos participaram, à sua maneira, nesta atividade. Na vida de fronteira, a profissão mais procurada era a de contrabandista.
A verdade é que o contrabando foi evoluindo por ciclos. No arco temporal a que este estudo se refere, inicia-se com o período da Guerra Civil Espanhola (1936 – 1939). Dado o contexto politico assumido por Espanha, este país viria a ficar neste período (desde 1936 até alguns anos após o final da II Guerra Mundial), com as suas relações comerciais com o estrangeiro completamente cortadas. Deve-se entender que a Guerra Civil Espanhola foi um dos mais violentos e cruéis conflitos da História. Opôs os republicanos, então no governo desta nação, aos Falangistas, grupo de tendência fascista e comandado pelo general Francisco Franco. Terminou, em 1939, com a vitória do general Franco, que impôs um regime ditatorial de direita. Entretanto, tinham-se verificado mais de 400 mil mortos; prejuízos enormes na agricultura;
a destruição de prédios, igrejas e casas em várias cidades. Neste mesmo ano, iniciou-se a II Guerra. O general Franco tomou uma posição pró nazi, fação que viria a sair derrotada neste último conflito. Por esta razão, a Espanha, vê-se impedida, pelos países vitoriosos, em aceder aos mercados comerciais internacionais, com normalidade.
Foi pois, a economia subterrânea que forneceu o país vizinho de tudo quanto podia e lhe era solicitado: bens de primeira necessidade, café, aço, peças de automóveis; de tudo um pouco passou quer pelas batelas do Rio Minho, quer pela raia seca, diga-se, Planalto de Castro Laboreiro.
Depois da Guerra tudo ia para a Espanha. Eles não tinham nada. Eu era gaiato pequeno, mas lembro-me bem de ouvir a minha mãe e a minha avó contar isso. Depois de 1945, finda a guerra, houve muita convivência com os galegos.
Isso das fronteiras não afetava nada. Os guardas fechavam os olhos. Ia de tudo para lá: sabão, sal, azeite, imagine que até carros velhos iam, pois eles não tinham nada. Daqui ia muito pão, pois os fornos comunitários trabalhavam todos os dias” Adelino Esteves – Castro Laboreiro – 29/10/2013.
O meu pai guardava café. Tinha café cru em sacos grandes e café Sical já embaladinho. Vinham espanhóis de muito longe buscar, mas os guardas eram muito maus. Era a ditadura. Esta gente levava de tudo: café, açúcar, amendoins, até sabão, linhas e velas, tudo lhes servia para levar. Depois da Guerra foi mesmo uma miséria. Até gente de Vigo vinha cá buscar coisas.” Glória de Jesus Pires – Cevide – 23-1-2014
A partir de 1955, Espanha começa a sua recuperação económica. Havia já passado 10 anos após o final da II Guerra, pelo que os mercados comerciais se começaram a abrir a este país, que rapidamente aproveitou as oportunidades oferecidas. O contrabando toma então dois sentidos, já que a diferença cambial começa a favorecer os Portugueses na compra de bens em Espanha.
As trocas comerciais intensificam-se. Para que, neste novo contexto, o contrabando seja bem-sucedido, a boa organização tornou-se essencial. Aparecem, então, as primeiras redes bem organizadas, conduzidas pelo que a população ainda hoje denomina “Os Senhores do Contrabando”.
Foi então que vieram os Senhores do Contrabando: Sr. Freitas, Sr. Alexandre, O Rita dos Casais. Esse tinha uma batela no rio e o cunhado Miguel e ainda o Maia de St. Gregório” Glória de Jesus Pires – Cevide – 23-1.2014
Alguns destes “Senhores do Contrabando” organizaram-se em consórcios, criando verdadeiras redes que atingiam todo o país e se alargavam igualmente a Espanha. Estas associações eram bastante complexas. Envolviam muito capital e muitos homens e mulheres a trabalhar para elas (carregadores, condutores, bateleiros, fornecedores, intermediários e informadores). Os meios logísticos também eram fundamentais, como as batelas, carros, camiões, radiotransmissores. Perante esta complexidade, era essencial que a rede fosse flexível e estivesse preparada para agir perante os imprevistos. Um dos mais perigosos, era sem dúvida, a patrulha da Guarda-fiscal.
Tudo poderia estar bem organizado, mas o grande sucesso das cargas esteve sempre dependente de conivências da Guarda-fiscal. Era, pois, normal os guardas-fiscais fazerem, eles próprios, uma contabilização do despacho das mercadorias, na hora da carga, para depois receberem a sua parte do negócio.
Eu trabalhei para os Senhores do Contrabando, o Sr. Freitas, o Sr. Alexandre, O Rita dos Casais e o Maia de S. Gregório. As pessoas aqui do regato trabalhavam por uma miséria. Carregava 50Kg a 75Kg de caixas atadas por cordas. Os guardas chegavam quando o camião já estava quase carregado, para verificar a quantidade e receber o seu. Por vezes ainda ajudavam a carregar. Digo-lho eu que estava presente.” Antero Pires – Cevide – 23-1-2014
Todos os recursos de fuga às autoridades de pouco serviriam sem a conivência das próprias. Neste contexto, verifica-se que estes consórcios vão sofrer mais apreensões longe da linha de fronteira, quando os interessados transportavam as mercadorias para as cidades como Braga, Porto, ou Lisboa.
O último contrabando que por aqui existiu foi o das bananas. Carregou-se muita banana. Só na altura em que veio para cá o Tenente Abrantes, o conhecido Zeca Diabo, é que tivemos de cortar um bocadinho, que esse não alinhava. Mas depois tudo continuou. De Ponte da Barca até ao Porto é que era tudo mais complicado. Sabe como é, o pessoal via muitas carrinhas a sair daqui serra abaixo e a coisa dava nas vistas (…)” João António Abreu – Melgaço – 22-1-2014
O contrabando evolui por ciclos. Em Melgaço, o café foi um dos ciclos mais longos, dado Portugal ser excedentário neste produto, devido à produção que lhe chegava das suas ex-colónias. Um outro ciclo importante foi o do gado, que se inicia na década de 60 e perdurou praticamente até abertura das fronteiras. Este tomou os dois sentidos.
Para Portugal vinham vacas e para Espanha seguiam vitelos. Este grande ciclo de gado coexistiu com o último grande ciclo, ou seja, o das bananas, tendo este tido inicio só no inicio da década de 70.
Juntamente com estes produtos, ao longo dos anos as mercadorias contrabandeadas foram muito diversas. Desde o tabaco, gado suíno e ovino, bacalhau, azeite, ouro, prata, cobre até peças de automóveis inteiros que depois eram montados em Espanha. De tudo um pouco passava ora num sentido, ora no outro, utilizando quer a raia seca quer as batelas do Rio Minho.
A mulher contrabandista assumiu um papel importante. São astutas por natureza, ou porque a vida assim as fez. Na sua larga maioria entregavam-se ao contrabando por conta própria: ovos, galinhas, café, e na perspetiva inversa, farinha e azeite para Portugal. Numa época mais tardia, peças de vestuário, perfumes, chocolates e bacalhau. Era normal elas recorrerem a peças de vestuário apropriadas para disfarçar o transporte de mercadorias mais contrabandeadas. Também o uso de longas tranças enroladas lhes permitia esconder no cabelo peças pequenas. O que foi muito usado para o tráfico de divisas e jóias.
O tráfico de divisas, também conhecido por bolsa negra, era largamente utilizado pelos emigrantes espanhóis, que face à ditadura do seu país, estavam impedidos de enviar as remessas de dinheiro diretamente às suas famílias.
Desta forma, este era depositado em Portugal e levantado pelos contrabandistas que em seguida o passavam ilegalmente para Espanha e o distribuíam aos familiares dos emigrantes.
“Ir a Espanha era um trabalho para quem não tinha medo à vida. Por vezes tinha de se fazer mais quilómetros para fugir aos guardas, é que nós não podíamos repartir com eles. Os melhores dias eram os de nevoeiro ou chuva miudinha. Assim eles não andavam pela serra. Fomos ganhando para ter para a casa; ia então buscar, bacalhau, azeite, chocolate, baunilhas e tudo o que me encomendassem, assim ganhava o meu vendendo porta a porta. Lá ia eu com o carrego à cabeça e os meus filhinhos pela mão. Era uma vida bem dura. Mas lá nos governamos com uns tostões. Sim que os nossos governantes só (…)” Maria Emília Domingues – Cousso – 7-1-2014.
O contrabando foi um negócio lucrativo, mas efémero. Enquanto durou, criou muitos comércios e alimentou muitas famílias. Deve-se compreender que constituindo uma economia paralela, os seus lucros nunca foram orientados para o desenvolvimento local. Permitiram, no entanto, uma sobrevivência condigna a uma população pobre, que vivendo num território limítrofe, dependia de uma parca agricultura e pastorícia de subsistência."


Fontes citadas:
- AGUIAR, Lídia (2016) - Memória do Contrabando e Emigração Clandestina em Melgaço: Patrimonialização E Musealização. In: Percursos & Ideias, Revista Científica do ISCTE, Cadernos de Turismo - Nº 7 - 2ª Série 2016.

- GONÇALVES, Albertino (2008) - Memórias do Contrabando no Concelho de Melgaço cit in Boletim Cultural de Melgaço (2008) pp 33-39. Melgaço: Câmara Municipal de Melgaço.

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

O cerco à Praça Militar de Melgaço e a captura das filhas do comandante (1846)


Estávamos em meados do século XIX. Em Melgaço e no Alto Minho, o clima social estava a ferro e fogo. No jornal espanhol “El Católico”, na sua edição de 13 de Maio de 1846, fala-nos de uma onda de revoltas contra as autoridades na região. Este clima em que estava mergulhado a região minhota, já vinha das lutas liberais e tinha tendência a agudizar-se com as medidas tomadas pelo governo de Costa Cabral e a revolta da Maria da Fonte. A elevada carga de impostos e a proibição dos enterros nas igrejas são algumas das razões que justificam este ambiente de revolta contra o Estado na região.
Nos dias 27 e 28 de Abril desse ano, a Praça Militar melgacense esteve cercada por um grupo de revoltosos que tentaram entrar na fortaleza e expulsar os militares. Os revoltosos conseguiram inclusivamente capturar as filhas do comandante da praça e ameaçaram matar as mesmas se aquele não ordenasse aos soldados que abandonassem a Praça melgacense. Terá o comandante cedido à chantagem dos revoltosos?
Através da leitura do referido periódico, podemos ter uma ideia de como era o estado de coisas na região. Este conta-nos que “Em Monzao, un gran número de paisanos armados se dirigieron á la administracíon del concejo, de donde estrajeron los impresos de cuntribucion y de las leyes sanitarias, quemandolos en seguida en la plaza pública. Después se dirigieron a Valladares, en cuyo punto quemaron la casa de la administración: los capitaneaban el abad de Cabreiros, el alférez de la 3.ª sección y Joaquín Pereira de Pias.
En el concejo de Coura, se han repetido iguales escenas, nombrando asimismo autoridades los revoltosos, que se preparaban para atacar la plaza de Melgazo.”
Esse ataque concretizou-se nos dias 27 e 28 de Abril desse ano de 1846. Desse episódio fala-nos o mesmo jornal onde podemos ler que “La fuerza de Valenza batió y dispersó completamente en el dia 25 á los sublevados que se haban reunido en la freguesia de Sopo, concejo de Vila Nova de Cerveira, resultando gran número de muertos y tres prisioneros. Igualmente se sabe que de la plaza de Valenza debió salir el 28 una fuerza mandada por el teniente del rey, con objeto de hacer levantar el sitio (cerco) de Melgazo, y recorrer después los concejos de Valladares y Monzao, restituyendo á las autoridades el libre ejercicio de sus funciones.”
As tropas da Praça Militar de Melgaço conseguiram resistir ao cerco e disso dá-nos conta este periódico onde podemos ler que “Las guerrillas que infestaban los concejos de Monzao, Melgazo y Valladares han sido batidas completamente junto a Melgazo que se habían atrevido á sitiar.”
Conforme se diz atrás, durante este cerco, os revoltosos capturaram as duas filhas do comandante da Praça Militar de Melgaço e ameaçaram matar as raparigas ali à frente do pai caso este não ordenasse à guarnição que se rendesse e entregassem a fortaleza. No jornal “El Católico”, na edição de 22 de Maio desse ano de 1846, conta-nos, ainda acerca deste episódio, que “El comandante de la cuarta división militar y el gobernador de la plaza de Valenza comunican oficialmente un hecho digno de mencionarse por su singularidad.
Hallándose el gobernador de la Plaza de Melgazo con una corta guarnición, se acercó á ella una partida de sublevados siendo en balde cuantos intimaciones le hicieron para que los rindiese la plaza. Entonces los revoltosos recurrieron á un espediente propio de tales combatientes para decidir á la plaza rendirse. Presentaron ante el gobernador á sus dos hijas qué tenian prisioneras, amenazándole con que le quitarían la vida en su presencia. Pero el valor del antiguo y esforzado militar no vaciló con la amenaza. Su respuesta fue noble, y en lodo digna del grande alcaide de Faria: "Esta plaza, confiada á mi defensa por el gobierno de la reina, no se entrega sino después de yo muerto. Antes que todo, son mis deberes de soldado. Lo demas podrá partirme el corazón como padre; pero no consentiré que empañe la menor mancha mi espada de soldado."
No sabemos si el valiente oficial, observando que se aproximaba un fuerte destacamento de cazadores núm. 7, mandado de Valenza en socorro de la plaza, saldría con su guarnición contra los revoltosos, y si conseguiria derrotarlos completamente.
O jornal "El Tiempo", na sua edição de 23 de Maio desse ano, dá-nos conta da resistência do comandante face à chantagem dos revoltosos. Podemos ler que "Entre los últimos accidentes de la guerra, merece llamar la atencion la conducta del gobernador de Melgazo, que ha resistido com corta gueranicion á los levantados, á pesar de amenazarle con la muerte de dos hijas suyasde que se habian apoderado. Por fortuna los sitiadores de melgazo no imitaron la conducta de los de Tarifa." As raparigas foram libertadas e a praça não se rendeu.
Após este episódio, o Duque da Terceira, à data Ministro da Guerra, tendo conhecimento dos factos, escreve um ofício ao Comandante da Praça Militar de Melgaço onde lhe transmite que a rainha D. Maria II o quer condecorar pela sua ação na defesa da Praça melgacense. Nesse ofício, podemos ler que “Sua Majestade A Rainha, a Quem foi presente o ofício do Comandante da 4ª Divisão Militar, incluindo o relatório da infrutífera tentativa feita pelos revoltosos contra a Praça de Melgaço nos dias 27 e 28 de Abril último.
Manda pela Secretaria de Estado dos Negócios da Guerra significar ao Governador da referida Praça que é digna do maior louvor, zelo, coragem verdadeiramente portuguesa com que soube repelir e castigar tão louco como criminoso arrojo, aguardando A Mesma Augusta Senhora tão somente que a tranquilidade pública se restabeleça (o que não tardará) para galardoar por outra maneira os distintos serviços por ele prestados em defesa da Carta Constitucional. Sua Majestade viu com a maior satisfação a briosa e nobre comportamento dos oficiais e praças de que se compõe a guarnição daquela fortaleza e quer que o referido governador em Seu Real Nome lhes transmita os louvores de que se fizeram merecedores por sua coragem e patriotismo. O que tudo se comunica  ao comandante da 4ª Divisão Militar para seu conhecimento e efeitos convenientes.
Paço de Belém, 23 de Maio de 1846.

Duque da Terceira”. (Documento abaixo)


Fontes consultadas:
- Jornal "El Católico", edição de 12 de maio de 1846;
- Jornal "El Católico", edição de 22 de maio de 1846;
- Jornal "El Tiempo", edição de 23 de maio de 1846; 
- Ofício do Duque da Terceira datado de 23 de maio de 1846.


sábado, 23 de dezembro de 2017

Os soldados da Rainha em busca do Tomás das Quingostas (1837)

S. Paio (Melgaço)
(Foto em http://coxo-melgaco.blogspot.pt/)

O Tomás das Quingostas, de nome Tomás Joaquim Codeço, nasceu no lugar das Quingostas na freguesia de S. Paio, concelho de Melgaço, tendo sido baptizado, em 15 de Agosto de 1808, com nome de Tomás de Aquino. Por volta de 1837, devido à sua simpatia miguelista e toda a uma série de crimes que ele e a sua quadrilha tinha cometido na região, era perseguido já por um destacamento de soldados enviados pela Coroa para o prender. Isso não foi tarefa fácil já ele se movimentava com facilidade entre os dois lados da fronteira e deambulava entre Melgaço, as serras e as povoações galegas. Uma das principais razões que dificultava a obtenção de informações acerca dos seus movimentos era a proteção de que gozava por muitas pessoas da região que lhe davam guarida sempre que necessitava.
Contudo, por esta altura, a prisão do seu criado veio facilitar a tarefa. Tratava-se de um galego do qual se desconhece o nome e que foi detido no lugar de Sante (Paderne) no dia 9 de maio de 1837 e depois conduzido à cadeia de Melgaço. Num ofício redigido no dia seguinte para o seu superior, o Alferes Isidoro da Costa escreve “Participo a Vossa Excelência que no dia 9 do corrente às duas da tarde, cheguei eu com a Partida do meu Comando ao Povo de Sante. Ali, depois de algumas diligências, consegui prender o galego criado do Thomaz das Quingostas, cujo criado eu há muito tempo procurava pois que sabia ser ele o confidente do dito Thomaz e o único que de positivo poderia dizer os sítios onde este facinoroso e sua quadrilha costumam acolher-se para escaparem à perseguição. Com efeito, depois de preso, o galego e ameaçado de morte confessou algumas coisas que interessam para a captura daquele perverso, as quais eu vocalmente direi a Vossa excelência; por cujo motivo o conduzi à Cadeia de Melgaço onde se conserva incomunicável até que Vossa Excelência disponha dele como julgar conveniente.
Acantonamento em Chaviães, 10 de Maio de 1837
Isidoro Manuel da Costa,
Alferes e Comandante da Partida”  
No dia seguinte, segue outro ofício escrito no acantonamento das tropas estacionadas em Paderne em que se alude para o interrogatório que foi feito ao criado do Tomás das Quingostas e todas as informações que tinham sido recolhidas, nomeadamente as pessoas que protegiam o Tomás das Quingostas bem como os sítios onde se escondia. No dito ofício, pode ler-se que “Em aditamento ao meu ofício datado de hoje, participo a Vossa Excelência que acabo de interrogar o galego criado do Thomaz das Quingostas e incluso envio o respetivo interrogatório pelo qual verá Vosssa Excelência quais são as pessoas cúmplices que têm dado proteção àquele sublevado Quingostas, e que devem ser presas, não só para lhes ser aplicada a lei, mas também para que não possam continuar a proteger o malvado que mais facilmente será preso faltando-lhe este apoio. Porém, como são muitos as pessoas no caso de serem presas, eu careço que Vossa Excelência me autorize para elas serem presas militarmente e depois entregues às autoridades judiciais ou em caso contrário Vossa Excelência procederá  a este respeito como julgar mais conveniente. Fico portanto esperando as ordens de Vossa Excelência sobre tão importante objeto, e mesmo para aplicar os possíveis meios de conseguir a captura dos chamado Lisbonense de quem tenho falado a Vossa Excelência, como Agente da Facção Miguelista no Alto Minho. Por fim, levo ao conhecimento de Vossa Excelência que sendo indispensável conservar aqui o preso galego criado do Thomaz das Quingostas mas de um modo oculto para que só saia de noite com a Força (soldados) para indicar as avenidas e paragens daquele faccioso. Para isto tenho feito constar que o mando conduzir para Braga a apresentar-se a Vossa Excelência e como este há-de ser acompanhado por soldados de confiança,  a comunicação destes levará assim para regressar com ele a uma casa próprias onde se conservará em segredo para o indicado fim. Resta-me ainda aproveitar esta ocasião para enviar a Vossa excelência a parte inclusa dada pelo subalterno do destacamento do Regimento que prendeu o referido galego criado do Thomaz das Quingostas cuja parte por esquecimento deixei de incluir no primeiro ofício de hoje, do qual faz parte.
Acantonamento em Paderne, 11 de Maio de 1837.”
Junto ao ofício, seguiu um documento com um resumo das informações declaradas pelo criado do Tomás das Quingostas: “Depoimento a que se procedeu para servir de conhecimento de quem são as pessoas que discretamente protegem o Thomaz das Quingostas e sua quadrilha.
Sendo interrogado o galego criado do Thomaz das Quingostas, que foi preso na tarde do dia 9 do corrente por uma partida de voluntários da Rainha; declarou que todas as pessoas mencionadas nesta relação tem diretamente comunicação com o declarado Thomaz.
1º - Que quando ele, Thomaz habita estes sítios, costuma ficar em casa de Joaquim de Pomares e Domingos de Pomares no dito lugar de Pomares, e também no lugar de Fontes em casa de uma mulher cujo nome se ignora mas que por indícios ou sinais facilmente se pode averiguar e além destas casas, declarou o galego outros sítios ou esconderijos onde ele, Thomaz e quadrilha costumam acolher-se.
2º - Que ele Thomaz tem correspondência em Melgaço com um negociante chamado Vitorino e com um outro paisano chamado Domingos da Maricas e que o ex provedor de Melgaço e seu irmão, Thomaz fariam avisos àquele todas as vezes que saiam Forças de Melgaço / apurar destes dois últimos serem de sentimentos liberais e um deles ter estado nas Linhas do Porto.
3º - Que os homens que nestas aldeias mais costumam avisar e vviver com ele, Thomaz, são o Custódio de Remoães, seu alfaiate; o Pico, seu sapateiro; Maria Crega o lugar de Sante que tem em sua casa trastes dele; o filho do Escrivão de Paderne; o António do Lagendo; o carpinteiro José dos Barreiros; o Cabo da Polícia de Sante Manuel Carvalho; Manuel António Pinheiro, que era incumbido de levar cartas a pessoas que depois se averiguará quem são; o Morgado de Crastos, onde o Thomaz e sua quadrilha vão jogar; o Beites de Sante onde existiam armas dele, Thomaz.
4º - Foi declarado mais que existia no Povo de Badim o célebre Lisbonense chamado Francisco Xavier, que foi criado de D. Miguel e que naturalmente o principal agente do movimento político neste país. Ignora-se se a casa onde ele existe, mas há meios de se poder saber.

Paderne 11 de Maio de 1837".
Em 30 de Janeiro de 1839, quando o Tomás das Quingostas, se encontrava a cavaquear no estabelecimento de Policarpo Fontes, no lugar do Cruzeiro (S. Paio), foi surpreendido por inesperada escolta militar que ia para o capturar. Dizem que o Tomás ainda tentou fugir trepando por um alçapão que dava para o primeiro andar; mas os militares agarraram-no pelas pernas, cortaram-lhe os suspensórios e assim o levaram. Também dizem que ao chegar à Ponte de Alote o prisioneiro exclamou: - «foi ali que eu pratiquei o primeiro crime» e ao mesmo tempo voltou-se bruscamente pisando os calos a uma praça da escolta. O comandante não hesitou e mandou-o fuzilar. Foi sepultado nas traseiras da capelinha de S. Bento da Barata.
Há que referir que as circunstâncias da sua morte são muito discutíveis e as bases documentais são escassas. Estes factos são narrados na tradição popular mas no seu assento de óbito apenas é dito que foi abatido por soldados na data acima citada.






sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

A época dourada do Hotel Ranhada (Peso - Melgaço) em fotografias



O Hotel Ranhada, foi construído ainda em finais do século XIX, por volta de 1890. Foi o primeiro hotel de referência a ser edificado no Peso, em Melgaço, depois de ser descoberta a nascente de águas termais. Esteve aberto um pouco menos de um século e fechou numa época em que o turismo termal estava em profunda decadência e os aquistas já não afluíam a Melgaço como noutras décadas do século passado. É lembrado como um hotel de elevada qualidade e chegou a acolher ilustres personalidades da alta sociedade portuguesa...

Hotel Ranhada (Peso, Melgaço no início do século XX)

Um automóvel no Peso, coisa muito rara nesta época
(Junto ao Hotel Ranhada, no Peso, Melgaço no início do século XX)

Hotel Ranhada (Peso, Melgaço no início do século XX)


Espaço de lazer em frente ao Hotel Ranhada (Peso, Melgaço no início do século XX)


Hotel Ranhada (Peso, Melgaço no início do século XX)


Num tempo em que os automoveis coabitavam com as carroças de cavalos
(junto ao Hotel Ranhada no Peso, Melgaço, no início do século XX)

Hotel Ranhada, com a capela ao fundo (Peso, Melgaço no início do século XX)


Parque Villa Ranhada (do lado esquerdo da estrada) em frente ao edifício do Hotel
(Peso, Melgaço no início do século XX)


No Parque do Hotel Ranhada (Peso, Melgaço no início do século XX)

Em frente ao Hotel Ranhada (Peso, Melgaço no início do século XX),
uma foto de grupo antes de um passeio até S. Gregório

Uma foto de grupo em frente ao Hotel Ranhada (Peso, Melgaço no início do século XX)

Uma outra foto de grupo no Hotel Ranhada (Peso, Melgaço no início do século XX)

Hotel Ranhada (Peso, Melgaço no início do século XX) em foto de grupo de turistas
Em frente à capela do Hotel Ranhada (Peso, Melgaço, em 1914,
durante a visita do Arcebispo de Braga Melgaço)

No Hotel Ranhada (Peso, Melgaço em 1914, durante a visita do Arcebispo de Braga)

No Hotel Ranhada (Peso, Melgaço em 1914, durante a visita do Arcebispo de Braga)

Hotel Ranhada (Peso, Melgaço) por volta de 1940


Sala de Jantar do Hotel Ranhada (Peso, Melgaço em meados do século XX)

 
Junto ao Hotel Ranhada (Peso, Melgaço, em 1956), o pessoal de serviço 

Envelope do Hotel Ranhada (Peso, Melgaço) de 1957
Etiqueta do Hotel Ranhada (Peso, Melgaço) de meados do século XX

No Hotel Ranhada (Peso, Melgaço, na década de 70 do século passado)

No Hotel Ranhada (Peso, Melgaço, na década de 70 do século passado)

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

O "Nacho" de Cristóval (Melgaço) e o Guarda Fiscal" (1905)

Cristoval (Melgaço)
Fonte: http://coxo-melgaco.blogspot.pt

As fronteiras de Melgaço são, desde sempre, um espaço onde abundou o contrabando e a emigração ilegal. A Guarda Fiscal era a autoridade encarregue de controlar o trânsito de pessoas e mercadorias ao longo da linha de fronteira.
No “Jornal de Melgaço” de 19 de Outubro de 1905, encontrámos uma notícia que nos fala de um episódio de aparente abuso da autoridade por parte de um guarda fiscal passada uns dias antes para as bandas de Cristóval. A vítima foi um homem conhecido como o “Nacho” de Cristóval, deste concelho. A notícia diz-nos o seguinte:

“Façanhas da Guarda Fiscal
Mais uma façanha praticada pela Guarda Fiscal de que resultou um homem ferido com uma bala de revólver, pôs em sobressalto parte da freguesia de Cristóval, de este concelho. Eis o caso: No sábado passado, 14 do corrente, às 11 horas da manhã, vinha da Galiza o inofensivo José Fernandes, o “Nacho”, do lugar da Porta, da freguesia de Cristóval, sendo portador de uma saca cujo conteúdo eram duas garrafas de azeite e 40 réis de sabão, de procedência espanhola. Próximo do lugar do Regueiro, da mesma freguesia, surpreendeu-o o Guarda Fiscal José A. Esteves, vestido à paisana, que lhe apreendeu os objetos descaminhados aos direitos e prendeu o condutor.
Seguiram ambos até ao portão da propriedade do Sr. Daniel José Rodrigues, e o “Nacho”, vendo ali um belo refúgio, tentou evadir-se, o que pôde conseguir, chegando a transpor o referido portão e ali, ambos engalfinhados, esforçavam-se por ver coroados de bom êxito os seus desejos.
O guarda, julgando-se impotente para arratar o “Nacho” para fora do portão, intimou-o a sair, e, como este se recusasse, puxou por um revólver e disparou contra o pobre “Nacho”, indo a bala atravessar-lhe a coxa da perna esquerda.
Nesta conjuntura, o guarda, vendo aproximar alguns artistas que trabalhavam na propriedade citada, pôs-se em fuga, sendo perseguido por alguns artistas que pretendiam prendê-lo.
O ferido foi conduzido para sua casa, onde está em tratamento.
São estas as informações que podemos colher, de que nos abstemos de fazer comentários, não nos inibindo de voltar ao assunto.
Pedem-se enérgicas providências e o mais severo cumprimento da lei contra selvajarias desta natureza.”


Notícia extraída de: Jornal "Jornal de Melgaço, edição de 19 de Outubro de 1905.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Cristoval (Melgaço, 1933) - Notícia da descoberta de águas milagrosas

Cevide (Cristóval - Melgaço)
Foto de Filipe Oliveira

O concelho de Melgaço é conhecido desde há mais de um século pelas suas águas termas que brotam nas nascentes no Peso que atraíram, durante os seus anos de ouro, inúmeros aquistas. Contudo, noutros pontos do concelho existem várias nascentes de onde brotam águas que se diz terem caraterísticas medicinais. Já publiquei sobre as antigas Caldas de Paderne e Fiães, a Fonte Santa, em Penso, e a nascente da Pesqueira Longa, em Paços. Haverá ainda outras de que já algumas pessoas me falaram que dizem ter propriedades específicas.
Hoje recupero uma notícia de um jornal melgacense publicada há mais de 80 anos que nos fala na descoberta de uma nascente da qual nascia uma água que se pensaria ter propriedades medicinais. Podemos ler no “Notícias de Melgaço”, na sua edição de 17 de Dezembro de 1933 “O nosso estimado conterrâneo e importante capitalista, senhor Adriano dos Santos Sobrinho, residente, há bastantes anos, em Lisboa, registou provisoriamente uma nascente de águas minerais que descobriu nas suas propriedades dos Caneiros, Cevide, na freguesia de Cristóval, deste concelho. Estiveram há dias no local da nascente dois engenheiros e o subdelegado de saúde, senhor Dr. Cândido da Rocha e Sá, com o fim de procederem a estudos. Desejamos que a análise dessas  águas acuse propriedades medicinais que as tornem úteis para combater algumas doenças de que sofre a humanidade, e sejam um motivo de prosperidades para o nosso concelho e para o senhor Santos Sobrinho ver compensados os seus trabalhos e despesas.”

A nascente aparece identificada no Novo Aquilégio onde é designada como nascente do “Pinheiral da Rocha” e caraterizada como “digestiva e muito leve (ausência de cálcio)”. Mais se diz que “é semelhante à água do Peso em Melgaço, tem o mesmo sabor, já foi engarrafada” em tempos (segundo um informante).

Fonte: Jornal "Notícias de Melgaço", edição de 17 de Dezembro de 1933.